TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

CONTRACANTO: ARREBOL

Originalmente este soneto tinha por título "Grilhões partidos", 
pois foi inspirado no caso de divórcio de uma das senhoras 
que frequentavam o chat Terra em 2002. Optei por mudar o 
título pois o conjunto não transmite a ideia de separação, 
mas antes a de nascimento. 

Depois de uma noite tenebrosa, sempre vem o dia, seja ele 
nublado, chuvoso, poeirento, frio, quente, ou até um pouco 
escuro. De todo modo, normalmente, o raciocínio fica mais 
claro e mais lógico. 

O "terrível" no primeiro verso se refere à escuridão da noite, 
que pode ter sido ruim por diversos motivos: Insônia, doença, 
dores físicas, dores emocionais... Ou nem ter sido ruim, porém, 
de toda maneira, mesmo uma noite enluarada não rivaliza 
com a claridade do dia. 

O poema faz analogia entre o nascer do Sol após uma noite
particularmente escura e o desabrochar de um sentimento 
terno no coração. Não é visado, necessariamente, um romance, 
um evento qalquer, como a conversão a uma doutrina religiosa, 
o nascimento de um filho, a superação de uma deficiência 
física, ou mesmo, a conscientização de que somos todos uma 
só humanidade e o consequente amor por todo o pessoal do 
mundo. 

Observe: 

ARREBOL
tesco
(2002)

"Após terrível noite aclara o dia 
Qual fogo em palha ascende o sol em flama  
Assim de alguém a vida se alumia 
Quando em seu coração se acende a chama   

E qual um sol raiando vai o amor 
Vai aquecendo a vida que se leva  
Até brotar a planta em fulgor, 
Que rompendo o chão ao céu se eleva  

Bendito o sol do amor, a poesia! 
Bendito o coração que tem amor! 
Bendita a vida, coração e sol!  

E vai o amor gerando a alegria 
E vai a alegria superando a dor 
Até tornar-se a vida um arrebol." 

   *   *   *   

Muitos dirão: 
- Como amar um assassino, um celerado, um terrorista? 
Eles são muito diferentes de mim! 

Na verdade. a diferença é pouca, estamos a milimetros de um 
tipo desses, enquanto a distância que nos separa de um São 
Francisco de Assis, de um Mohandas Gandhi, de uma Madre 
Tereza, pode alcançar quilômetros. 

- E daí? 

Daí que a vida não para e e a continuidade dela é irrefutável. 
Desses que a gente quer distância, pode-se dizer: 

Eu sou você ontem! 

Tudo evolui, amemos! 

Abraço do tesco. 

5 comentários:

Dorli Ramos disse...

Oi tesco,
Você é muito criativo em tudo o que faz.
Você é o cara!
Venha me visitar.
O lua Singular parei: cansei. Tenho outro pequenito:
Clica no nome ao lado da foto.
Beijos
Dorli

Bárbara e Érika disse...

Se pudessemos ver o que fizemos em encarnações passadas, ficaríamos horrorizados! Concordo que evoluímos sempre. Beijos.

Bárbara e Érika disse...

Ah, divulgamos o seu blog para os nossos demais leitores. Beijos.

ॐ Shirley ॐ disse...

Bonito esse decassílabo...Flui com tanta naturalidade...
Grande abraço!

Dorli Ramos disse...

Tesco,
Quando vai me arrebenta
Tem um recadinho na postagem de hoje
Beijos
Dorli