TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 19 de março de 2015

CONTRACANTO: SE AVEXE NÃO

Em abril passado, Shirley se preocupava com numerosos 
detalhes adversos como clima, carestia, violência, fome etc. 
Iniciava um lamento em que as nuvens parecem obnubilar 
(eita! obscurecer não fica melhor não?) a mente. 

Os pensamentos confusos não facilitam a conexão entre as 
palavras, a situação econômica fica mais precária a cada dia, 
no noticiário a violência não dá trégua, a fome continua a 
acossar o mundo... 

Todo esse estado caótico (e olhe que ela nem se lembrou de 
corrupção), no entanto, é atenuado pelo romance, em que os 
amantes se entregam a uma interação físico/espiritual que 
gera harmonia, paz, compreensão, integração. Um estado de 
coisas normalmente denominado de 'felicidade'! 
Assimilem a atmosfera do caso, lendo o poema: 

CÉU NUBLADO
Shirley
(2014.04.18)

"O olhar da mente 
no céu nublado 
vertigem ao avesso. 
A inutilidade 
das palavras desconexas 
no fundo infinito do poço 
no limite precário do bolso. 
A realidade a escorrer na pele da alma 
a lamentar a violência e a fome 
apenas um voo. 
Pela janela 
a mente acende 
 as cores os sons os amores 
e eu descanso nas nuvens 
na delícia dos teus braços..." 

   *   *   *   

Aí chega uma interpretação baiana das coisas. Tudo isso que 
atormentaria o ser humano normal, pode ser afastado nesse 
momento. Não é um "Ah, dane-se!", como alguns podem pensar. 
É uma adequação, um agendamento,  afinal, tudo tem seu 
tempo! Pra que se preocupar agora com o que pode, mais tarde, 
ser resolvido com calma, sem afobação? 

Se não concordar, não tenha receio algum, comente à vontade. 
O tesco, porém, deu o seu parecer: 

TÔ NEM AÍ
tesco
(2014.03.20)

"Na delícia dos teus braços 
Os problemas adormecem 
Agruras a mente esquece 
O Sol, que vem, nos aquece 
E atiça uma fome animal... 

E seguindo esses passos 
Artimanhas arrefecem 
A ventura reaparece 
E até o blog, parece, 
Termina co'a sanha infernal! 

   *   *   *   

A filosofia, neste caso, é como canta a Joyce: 
"Sei lá... Não quero saber, eu quero é comer o meu caqui!" 

Abraço do tesco. 

6 comentários:

ॐ Shirley ॐ disse...

Você é doidinho, tesco!rsrs
Socorro!!! "Parem o mundo que eu quero descer"!
Beijo!

Anônimo disse...

KKKKKKK, gostei Shirley.
Beijotescas

Denise disse...

O amor em uma cabana só acontece no momento. Quando os dois seres acordam para a realidade, a coisa muda. Pode resistir por um tempo. A carência é muito difícil. Muita paz!

CÉU disse...

Olá, tesco!

Todos os poetas e poetisas se preocupam com os problemas da humanidade, e essa preocupação se reflete naquilo que escrevem, naturalmente.

Evidente que é preciso não entrar em órbita", mas há países e países. Contudo, sei que aí, o carnaval não dura só três dias, dura meses, e "oficialmente", só se começa a trabalhar e a pensar a sério, em março, nos finais.

Eu, não sendo propriamente pessimista, não deixo, no entanto, de refletir sobre os problemas mundiais, mas até graça a quem se consegue desligar disso e curtir o momento.

Hoje, é Dia Mundial da Poesia, e portanto sonhemos: o mundo, a partir de hoje, vai ser muito melhor.

Bom fim de semana.

Abração.

CÉU disse...

retificando: até acho graça.

Ava Maria disse...


Que seria da vida sem poesia Que seria do Tesco sem esses comentários?
hiscla