TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 15 de março de 2015

BOBAGENS LINGUÍSTICAS-28

Carlos Almeida de Jesus fez um trabalho primoroso neste seu 
TCC de 2008, "Etimologia – Especulação e mau uso" e, mesmo 
nas "CONSIDERAÇÕES FINAIS", nos fornece valiosos 
ensinamentos. Vejamos o que ele diz: 

CADÁVER E MOLEQUE 

"As versões populares para a origem de cadáver e moleque, 
por exemplo, ainda que sejam falsas, são muito mais 
atraentes do que o traçado etimológico científico dessas 
palavras. Cadáver teria saído da primeira sílaba de cada 
palavra da frase latina “caro data vermibus” (carne dada 
aos vermes). Porém, a verdade é que cadáver vem de 
cadere – cair, tombar. E o corriqueiro vocábulo moleque 
(contribuição do Quimbundo – muleke = garoto) seria 
originário de uma variação de Moloque – a demoníaca 
divindade mencionada no Antigo Testamento." 

Vemos então aqui uma irresistível tendência para complicar 
o que é simples e, ao mesmo tempo, dar a si mesmo ares de 
"doutores", em frente a 'pobres ignaros que não possuem a 
luz da Ciência". Estes últimos somos nós! 

E não escondem boa dose de preconceito e racismo: 
"Quimbundo? Coisa de negro? Não, vamos elevar o nível. 
Origem bíblica fica melhor!" 

E continua Carlos, com origens interessantes para algumas 
expressões: 

"Criamos um certo nível de esquecimento da estrutura 
vocabular para que possamos conviver bem com as 
palavras. Assim, ficamos inteiramente à vontade para dizer 
que embarcamos em avião, em trem, em ônibus espacial 
e até numa fria, sem que precisemos inventar verbos 
especiais para cada um desses casos, já que embarcar veio 
de barco; falamos em tragédia com alpinistas nos Andes – 
bem longe dos Alpes, de anilina que não tem a cor do anil 
e até de emboscadas no deserto, a milhares de quilômetros 
de um bosque." 

Curioso isto: Nunca me passou pela mente que 'emboscada' 
tem relação com 'bosque'. E olhe que é coisa óbvia! 

Mais ainda, ele fala da polissemia, diferentes significados 
para uma mesma palavra, a depender do contexto onde é 
empregada. Exemplifica com o termo 'cabeça', de uso geral 
em nosso cotidiano: 

CABEÇA

"De outro modo, temos ainda a construção do significado 
das palavras por meio do contexto de comunicação: O pai 
diz para os adolescentes antes de sair: “Tenham cabeça!”, 
o encarregado comenta com o seu superior: “Eu sei quem 
é o cabeça da greve”, no noticiário ouve-se: “Ela é uma das 
cabeças do jornalismo carioca” e a criança pode perguntar: 
“Por que o palito de dente não tem cabeça?”– em que cada 
uma dessas sentenças teremos um sentido distinto para o 
vocábulo cabeça (juízo / porta-voz / pessoa reconhecida 
por sua inteligência / extremidade maior respectivamente), 
distanciando, assim, o termo da sua origem (capitia, pl. 
capitium - Latim vulgar) que significava capuz, parte do 
manto que cobre a cabeça, e que por metonímia passou 
a representar a própria cabeça." 

Pois é. E, normalmente, não causa nenhuma confusão esta 
multiplicidade de significados. E é assim que ficamos sabendo 
(eu, que além de ignorante sou bobo) que a origem da cabeça 
é um capuz! Quem diria? 

Como vemos agora, e vimos em posts anteriores, a metonímia 
desenvolve importante papel na origem das palavras. É um 
tal de uma coisa leva à outra que ninguém dá fim. Parece que 
vale pesquisar, pois deve ter assunto para um post específico. 

Por fim - não é o fecho do trabalho dele, mas serve como fecho 
da análise do trabalho dele - ele diz o que NÃO é a finalidade 
da Etimologia: 

"Etimologia não foi feita para apontar o dedo e dizer onde 
e como devemos empregar as palavras só por causa do 
sentido intrínseco que elas possam ter." 

Se a maioria das pessoas assimilasse isso, muita desinformação 
seria barrada em seu caminho. Eu, pelo menos, me esforço 
para não divulgar inverdades. Nunca se sabe onde o resultado 
vai cair, né?

Cosidero que essa leitura do TCC do Carlos Almeida de Jesus,
foi muito proveitosa, por isso quero dar-lhe os parabéns e dizer:
Bom trabalho, Carlos! 


Abraço do tesco. 

Um comentário:

ॐ Shirley ॐ disse...

No Brasil, tesco, as palavras tem muitos significados...Até elas dão um jeitinho pra tudo rs.
^Gis la proksima!