TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

CONTRACANTO: DESUNIDOS

Uma temática assaz perturbadora é a da dupla personalidade,  
conforme classificada na Psicologia (ou Psiquiatria, sei lá onde 
se limitam). 

O Espiritismo ensina que, geralmente, é um caso de obssessão, 
ou seja, ação de um ser desencarnado influindo sobre alguém 
ainda encarnado. Isso não está no domínio dos olhos materiais, 
e, por isso, a ciência oficial ainda se recusa a pesquisar o caso 
sob essa ótica. 

Eu não tinha intenção de viajar por estes terrenos, muito menos 
confeccionar poema sobre isto. Visava apenas visitar um pedaço 
do território poético do Fernando Pessoa, cujos heterônimos 
ganham vida própria e se expressam como se criaturas vivas 
fossem. (E não o seriam, por acaso?). 

Daí que surgiu este soneto em que se enfoca uma evidente 
- pelo menos para o sujeito do poema - contradição pessoal. 
Provavelmente ele não consegue executar o que planeja e 
temina fazendo o que não queria. Não explicita isso, porém 
é o que se deduz. Vejam a seguir: 


ESTADOS DESUNIDOS DE MIM
 (Pessoa explica?)  
tesco
(2003.03.30)

"Não sei se sou quem sou e o que seria 
Alguém que em mim está e agora sou.  
A minha vida, em mim, é o que se via: 
Raras vezes que dono de mim estou.  

É sempre assim, mesmissíma agonia, 
De não saber se sou que em mim estou.  
Tendo a certeza sim de que não sou, 
Mas sem saber, se sou, como agiria.  

E assim a vida tem-me alterado 
Para o que se segue em meu destino. 
E a cada vez que sou um desatino,  

Eu não sei o que seria se não o fosse, 
E quem me vê não sabe se ao meu lado 
Está o vero eu ou o lado doce!  

   *   *   *   

Meu amigo Fred Gomes, já falecido, era sempre brincalhão 
e, se tivesse lido este soneto, diria: 
- Hummm... Entendi, ele quer dar e não sabe se expressar! 
Bem, é engraçado, mas, decididamente, este não é o modo 
sério de se analisar as coisas. 

O problema maior, nesse caso, parece ser a confusão que o 
indivíduo faz entre o pensamento do 'outro' e o seu próprio 
pensamento. Isso é deveras constrangedor, implica que não 
se sabe o que se quer, verdadeiramente. 

Os alter-egos de Pessoa convivem pacificamente, e dão sua 
contribuição conjuntamente para a construção de uma obra 
comum. Nos casos rotineiros, porém, não é o que acontece 
normalmente. Os invisíveis, na maioria das vezes, procuram 
prejudicar os 'viventes', e a tática de 'fundir' os pensamentos 
é prática comum. 

Enquanto a Ciência não consegue destrinchar esse problema, 
sigamos as recomendações do Espiritismo, que são as mesmas 
do Cristo: 
- Amar o próximo como a nós mesmos; 
- Ser pobre em espírito; 
- Ser manso; 
- Ter fome e sede de justiça; 
- Ser misericordioso; 
- Ser limpo de coração; 
- Ser pacificador; 
- Ser o sal da terra e a luz do mundo; 
- Primeiro nos reconciliarmos com nosso irmão; 
- Amar a nossos inimigos; 
- Bendizer os que nos maldizem; 
- Fazer bem aos que nos odeiam. 

Porque, na verdade, fora da caridade não há salvação! 

Abraço do tesco. 

4 comentários:

ॐ Shirley ॐ disse...

Pois é, tesco, há mais casos de obssessão do que as pessoas podem imaginar... Isso fica muito claro na esquisofrenia, onde o doente ouve vozes e se sente monitorado por essas "pessoas" que, para eles, são reais.
Mas, não é preciso ser esquisofrênico , basta estar em sintonia com as trevas, para atrair espíritos desocupados, que andam por aí, azucrinando os vivos , ou se vingando deles.
Lembrei de um livro que li há muito tempo, "As Duas Faces de Eva", tradução de Francisco Crestana... o autor, não sei.
Concluindo, devemos vigiar nossas ações, porque elas dão cor à nossa aura e é pelas vibrações dessa cor que os obssessores se aproximam de nós.
Muito bom o soneto.
Bom domingo, tesco!
G^is!

Denise disse...

Uma lista e tanto! Ainda escorregamos em vários itens, mas um dia conseguiremos cumpri-los.
Quanto ao seu soneto, me deu a impressão de abordar alguém que tem flash's de outras encarnações e fica na dúvida de quem realmente é. Muita paz!

CÉU disse...

Olá, Tesco!

Você escreve, e raciocina ainda melhor.
Falar de Fernando Pessoa e de seus heterónimos, é fácil e não é, porque ele só estava bem, onde não estava. Era poeta, BOM, e está tudo dito.
Gosto muito de seus(de você) prefácios e conclusões.

Bom domingo!

Abraço.

Anônimo disse...


Bom dia, Tesco
Vejo que se envolveu com existencialismo e (sei que não gosta muito), lembra Clarice Lispector.
Concordo com voce, as vezes ficamos bagunçados com os pensamentos e muitos deles nos soam estranhos mesmo.
A influencia de seres desencarnados nem sempre é reconhecida, mas é fato que invadem muitas cabeças e deixam as pessoas confusas.
Cá pra mim, além dos seres doutra dimensão, há também a interferência de pensamento de vivos.
Pelo que ja vi, pensamentos de gente viva é muito pior que pensamentos que vem outra dimensão.
Eu, particularmente, receio os vivos manipuladores.
As obsessões são reais e invadem os hospitais psiquiátricos, enriquecem os laboratórios que fazem remédios taja preta e arruínam qualquer ser vivente.
Mas repito: pior que companhia de espirito maldoso é a companhia de um encarnado mal intencionado.
Seu poema expressa o que muitos de nós ja experienciamos..
beijos
Hiscla