TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 9 de julho de 2015

CONTRACANTO: DISTANTE

Muitas vezes a situação atual do poeta influencia grandemente 
a construção de um poema, por vezes mesmo, determina seu 
tema e seu rumo. Apenas como exemplo, citamos o soneto 
'Hipocondríaco', que construí numa madrugada de dezembro 
do ano passado, em que me encontrava num hospital, 
aguardando exame, amarrdo ao tubo de soro. 

Contudo, isto não é uma imposição obrigatória. A mente do 
poeta passeia por milhares de mundos e enfrenta miríades 
de situações diferentes, que podem não ter nada a ver com 
sua condição atual. Náo há jeito de quantificar isto, pois varia 
a cada poema e em cada poeta. 

Assim, não foi a situação do poeta que originou este poma. 
Eu não estava em algum lugar afastado, como era comum 
nos anos 80, estava em casa e já era 2005, quando minha 
produção de sonetos se resumiu a três deles. 

Nele o poeta reafirma a constância de seu sentimento que, 
mesmo enfrentando "fortes ventos", não cessa de alimentar 
a ventura cotidiana. Veja o poema resultante: 

DISTANTE  
tesco
(2005.02.03)

Estás distante minha amada, estás distante  
Do meu corpo sim, porém não da minha mente 
E embora isso não seja inconseqüente  
Tal fato pode parecer irrelevante 

É uma coisa em certo modo redundante 
Dizer que sinto tanto amor por ti somente 
Mas isto só torna nossos corações contentes  
E de alegria nossas almas transbordantes 

Este amor de modo algum é inconstante  
Conquanto possa ser chamado leviano  
Porque drapeja em forte vento qual bandeira 

Mas preso ao mastro não se vai em um instante   
Nem mesmo deixa seu queimar cotidiano 
Incendiando os sentimentos qual fogueira 

   ***   ***   ***   

Este soneto apresenta característica incomum, pelo menos, 
nas minhas obras, que é o verso longo. E o curioso é que 
quando vi os primeiros versos, pensei: 
"É, vai sair um alexandrino". 
Mas não saiu, a maioria dos versos era de treze sílabas, e não 
consegui reduzí-las a doze. Então deixei o barco seguir a 
correnteza. E até que não ficou ruim. 

Abraço do tesco. 

3 comentários:

lua singular disse...

Oi tesco

Você é muito especial, adoro quem sabe compor poesias( existem muitas regrinhas, então prefiro mais contos e minicontos à poesias
Amei sua poesia
Beijos no coração
Dorli

ॐ Shirley ॐ disse...

Pois, ficou muito bom esse soneto.
Já disse uma vez, ou mais rs, que poesia é uma mistura de realidade e fantasia, é um eterno fazer de conta e só o poeta sabe onde termina uma e começa a outra...
Boa noite, beijos!

Bárbara e Érika disse...

Adorei!!!