TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

VAI E NÃO PEQUES MAIS-2

- Ei, tesco, aquele negócio de pecado, que você falou no 
domingo, me deixou encucado! 

Ah, o problema do Armagedom? 

- Também, mas, fora isso, tem outra coisa. Jesus curava 
as doenças físicas: Cego, coxo, paralítico, leproso, 
maneta, corcunda... 

Êpa, que negócio é esse de maneta e corcunda? O Novo 
Testamento não fala dessas coisas não! 

- Sei lá, veio no embalo. Mas, veja, que é que tem doença 
com pecado? Não são coisas separadas? 

Bom, aí temos três aspectos a observar. Primeiro, que os 
judeus, como todos os povos da antiguidade, imaginavam 
que a ofensa contra Deus (ou deuses, conforme o povo) 
eram "castigadas" com males infligidos ao corpo físico do 
cliente, digo, do ofensor. Assim, a exortação de Jesus se 
encaixava perfeitamente no pensamento da época. 

- Então, Jesus pensava isso também? 

Não, aí é que vem o segundo aspecto: Jesus sabia, como 
nós sabemos hoje, que as doenças são originadas, se não 
todas, predominantemente, de problemas espirituais, e, 
desse modo, "não pecar mais" é, antes de tudo, profilaxia, 
quer dizer, prevenção de doenças. 

- Ah, certo, então Jesus atirava no que via e acertava no 
que não via. 

Hum, não me parece a figura mais apropriada. Digamos 
que Jesus recomendava "o certo de sempre", e o pessoal 
achava que ele dizia "o certo da época". 

- Tá, vá lá. 

O terceiro aspecto apresenta duas variantes, uma é que, 
como o atual pensamento científico assevera, muitos dos 
problemas físicos do homem moderno originam-se de 
conflitos na mente, isto é, que distúrbios psíquicos, que 
denominam como neuroses, manias, esquizofrenias, e 
coisas assim, causariam males físicos. Portanto, 'não 
pecar mais' equivaleria a pacificar a mente, acalmar-se, 
harmonizar-se, sei lá, 'entrar em alfa'. 

- Certo. Mas tem outra 'variante'? 

Sim, utilizando o conceito que emiti sobre pecado, 'não 
ofender as criaturas de Deus'. Temos que observar aqui 
que 'criaturas de Deus' inclui a própria pessoa, não são, 
necessariamente, os outros. Daí temos que, todos os atos 
cometidos em excesso, podem se tornar 'ofensa a uma 
criatura de Deus', ou seja, um pecado. 

Desse modo temos uma etiologia mais... 

- Você quer dizer 'etimologia'? 

Não, 'etiologia' é o estudo das causas, nesse caso, causas 
das doenças. Como dizia, etiologia mais abrangente, mais 
ampla, pois as mais variadas ações, conceituadas como 
'pecado', podem originar doenças. 

Como exemplos temos: 
Ingerir quantidades excessivas de sal, açúcar ou gorduras; 
enraivecer-se contra uma pessoa, parente ou não; 
entristecer-se, em excesso, com perdas financeiras; 
matar um animal, sem motivo justo; 
drogar-se, com drogas lícitas ou ilícitas, sem necessidade; 
exemplos não faltam, usando-se este conceito de pecado. 
E assim, o pecado carreará a doença. 

Portanto, aconselhar a não pecar pode ser visto como, 
antes de tudo, uma recomendação que visa a saúde! 
Não sei se você vai, mas se for, "vai e não peques mais!". 

Abraço do tesco. 

3 comentários:

ॐ Shirley ॐ disse...

Oi, tesco, legal a sua explanação... Para mim, "criaturas de Deus", são todos os seres viventes.
Sem dúvida, não pecar é prevenir doenças, aliás, gostei disso.
Mas, sabe de uma coisa? Não existe pecado contra Deus e sim, contra nós mesmos. O Criador, não está nem aí, nem liga para as nossas picuinhas, Ele não é vingativo. Temos o livre arbítrio e consciência para "pecar" ou não. Porém, vamos pagar o preço, pois, a semeadura é livre, mas, a colheita é certa. E também, como você deixou claro no artigo de domingo, muitos serão exilados para mundos inferiores.
Enfim, gostei do tema e convenhamos, não é fácil trilhar sempre o caminho reto rs.
Beijos, tesco!!!

Anônimo disse...


Meu querido tesco,
concordo com você nesse texto!
incrível como concordo sem criticar! mas é verdade.
E, todos os corpos padecem ou irão padecer de alguma desventura causada "pela consciência". Algumas doenças já são consideradas pela ciência como psicossomáticas, outras sofrem a resistência dos cepticos, mas todas elas partem de uma fonte interna de conflito, seja ele explicito ou não.
As mazelas da alma virão (se já não vieram) e vão deteriorar os nossos corpos. Iremos, então, repensar e pensar nas causas e vicissitudes...ninguém esta livre da lei do equilíbrio e nem da morte por degeneração do corpo físico. A permanência não é deste mundo!
Hiscla

Denise disse...

Todas as nossas ações, ficam gravadas em nosso perispírito e as más ações, causam máculas nele. Sendo o perispírito o molde do corpo físico, tudo o que macula o perispírito, faz o corpo físico adoecer. Fora isso, tem as doenças que escolhemos, no plano espiritual, ao nos programarmos para a próxima encarnação, que servem como forma de resgate e progresso espiritual.
Na verdade, o vai e não peques mais, é muito profundo.
Achei muito interessante sua colocação sobre o auto-amor. Tão importante, que poderia por fim a uma série de "atentados" que fazemos contra nós mesmos. Muita paz!