TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 15 de dezembro de 2013

JESUS NUNCA FOI UM ZUMBI

- Quié isso, tesco? Jesus é Deus para meio mundo, e você 
vem dizer que ele é um zumbi? 

Pelo contrário, estou dizendo que ele não é um zumbi! 

- E por que isso agora? 

Diferentemente do Chacrinha, "eu vim para explicar, e não 
para confundir", por isso eu explico: Quem disse que ele 
era um zumbi foi Paulo, no Areópago, em Atenas. 

- Como pode dizer uma barbaridade dessa? 

Está lá em Atos dos apóstolos, capítulo 17, verso 31: 
"...e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os 
mortos". 
Segundo Andrew Welburn, em "Origens do Cristianismo", 
a expressão significa literalmente "levantar dentre os 
cadáveres", e foi isso que os atenienses entenderam e, 
evidentemente, ficaram escandalizados e não mais deram 
valor às palavras de Paulo.  
Ora, em palavras atuais, essa ideia de um cadáver em pé 
e andando, é traduzida por "zumbi". 

Evidentemente, não é o que Paulo pretende dizer, pois na 
primeira epístola aos coríntios, capítulo 15, verso 50, ele 
define bem: 
"E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não 
podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar 
a incorrupção", (1 Cor, 15:50). 

Portanto, não é o corpo carnal quem recebe os benefícios da 
ressurreição. Isso fica muito claro lendo-se sobre as aparições 
do Cristo pós-túmulo 
"através das portas fechadas, reconhecido e irreconhecível, 
tangivelmente ferido mas desaparecendo de súbito", 
(Andrew Welburn, " Origens do Cristianismo", pág. 251). 
Estas características denotam claramente a materialização 
de um espírito, conforme nos ensina o Espiritismo. 

O que nos deixa em polvorosa é que: 
"Pois foi exatamente na forma mais crua, mais grotesca, 
como o "levantar dos cadáveres", que a ressureição passa 
como ensinamento da Igreja" , 
(Andrew Welburn, " Origens do Cristianismo", pág. 251). 

Essa concepção infantil se perpetua na mente das pessoas e, 
ainda hoje circula a ideia de "corpos regenerados" para os 
que morrem atualmente, mesmo para os cremados, comidos, 
despedaçados, e até para os que morreram há muito tempo. 
Nada de seguir as leis naturais, apenas "milagre" e nada mais. 

A ideia de reencarnação é muito mais racional do que a de 
restauração de um material já desagregado, pois segue a lei 
da formação dos corpos e, não é nada difícil que sobre esse 
corpo recém-formado (para os mais conservadores) Deus 
sopre "em suas narinas o fôlego da vida" e o faça "alma 
vivente"  (Gen, 2:7). 

Mas, não podemos forçar as consciências a aceitarem nosso 
parecer. Aguardemos, com paciência, que a ideia de um 
"Fantasma que anda" (criação em quadinhos de Lee Falk), 
comece a desmoronar nessas mentes, e a "nova" ideia a 
substituirá naturalmente. 

Lembro isso porque se aproxima a data que se convencionou 
adotar para comemorarmos seu aniversário de nascimento. 
Nascimento esse também enfeitado por milagres, algo que é, 
atualmente, totalmente desnecessário, pois o milagre consiste 
em que ele tenha se predisposto a encarnar entre nós. 

Pode-se afirmar também que, a improvisação existe no mundo 
espiritual, mas não é a regra. A anunciação à Maria de que 
ela iria receber em seu ventre "um fruto bendito" não foi coisa 
decidida de última hora, isso não se coaduna com um correto 
planejamento espiritual, Maria já tinha sido escolhida para a 
tarefa muito antes, ainda no plano espiritual e, naturalmente, 
concordado com isso. 

E o corpo de Jesus não foi insemidado por um suposto 
"Espírito Santo" (criação teológica posterior), mas, nessa 
ocasião se ultimavam os preparativos para que o organismo 
de Maria pudesse formar um corpo adequado para o espírito 
santo, como é o de Jesus, quando recebesse a semente de 
José. 

Enquanto isso reitero: Jesus não é um zumbi! 

Abraço do tesco e Feliz Natal! 

9 comentários:

Clara Lúcia disse...

Tesco, algumas vezes fiquei pensando sobre isso também. Sobre o ventre preparado de Maria, que havia sido escolhida desde antes de nascer, pra receber a "sementinha" de José.
É um assunto muito polêmico e ao mesmo tempo nem tanto, já que se propaga há anos e todos respeitam.
Talvez em nossa mente limitada não cabe imaginar um morto ressuscitado... bem, eu acho!

Um ótimo domingo!
Beijos

Anônimo disse...

Meu querido, aproveito seus "ensinamentos" para comentar que essa concepção infantilizada também deu origem a alguns fanatismo, ainda me nossos dias. Como a crença, por exemplo, que no juízo final os corpos se levantarão como zumbis mesmo, regenerados.
Contudo, havemos de ter parcimônia: ninguém detém a verdade, tudo é "explicado" pela a lente do observador.
hiscla

Anônimo disse...

Tesco, você tem cada ideia. Dessa vez vou evitar comentar.
Beijotescas

Denise disse...

Tesco, para mim a reencarnação é tão lógica, que me esqueço que ainda existem pessoas pensando em retomar o corpo que deixou aqui e que na verdade, já é um punhado de ossos. Os ensinamentos de Jesus são muito claros, mas é preciso olhos de ver. Muito pertinente seu post. Muita paz!

ॐ Shirley ॐ disse...

Tesco, concordo plenamente com tudo o que você disse,claro. Muitos acreditam que vai aparecer um anjo tocando a trombeta, para que todos busquem seus corpos nos túmulos...Afe! Os corpos que já foram devorados pelos vermes e baratas, já serviram de adubo, etc etc...
Tesco! Consegui deixar um comentário!
Beijo!

tesco disse...

Querida Clara, um conceito ser muito difundido e respeitado não
quer dizer muita coisa, a não ser que o assunto - como explicado - está
no mesmo nível de entendimento da época.
Periodicamente, a humanidade tem que rever os conceitos estabelecidos
- na maioria das vezes, a ferro e fogo - para se harmonizar com as novas
descobertas e redescobertas: Assim funciona a evolução.
Beijos.
Não somente "alguns fanatismos", hiscla, infelizmente, muitos
fanatismos foram gerados pela ignorância, pela imposição e pelo pressa
em se sobressair na cultura dominante.
Não há mal nenhum em se conhecer a verdade, o ruim da coisa é querer
impor "nossa" verdade.
Beijos.
Não comenta porque não quer e porque não existe essa obrigação, Yvonne,
mas as crenças absurdas existem e estão pipocando por aí.
Beijos.
Pois é, Denise, que bom será quando todos (ou quase todos)
possuírem uma mesma visão isenta de dogmas, superstições e temores
vãos. É de estranhar, realmente, esse atraso de mentalidades onde
vivemos. Mas o bom dia chegará e não há de demorar.
Beijos.
É, Shirley, seria mesmo muito estranho presenciar um "adubo em
forma de gente" perambulando por aí, risos.
Mas, por enquanto, temos de nos conformar ao nível mental da atualidade,
lançando, com suavidade, ideias mais condizentes com a realidade.
Fico feliz que tenha conseguido postar um comentário, principalmente,
quando o consegue neste blog.
Beijos.

Anônimo disse...

Tesco, eu não comentei com medo de ferir sensibilidades alheias. Não a sua, porque eu sei que você pode até não concordar comigo, mas respeita as opiniões dos outros. Em outro momento, por e-mail, tocarei no assunto.

UM FELIZ E MARAVILHOSO 2014.

ॐ Shirley ॐ disse...

Que coisa, tesco, por que só aqui é permitido que eu faça comentário?...
Bem, como dizia nosso amigo, William Shakespeare...não é mesmo?rs

tesco disse...

Não sei, Shirley, o blogspot tem mistérios
que "nem nossa vã filosofia explica".
Neste blog mesmo, se permite (quase) tudo,
mas postar algo e sair do jeito que quero
é uma tremenda dificuldade.
Mas, não se aperreie, qualquer hora tudo se normaliza.
Enquanto isso, continue comentando por aqui - risos.
Beijos.