TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 17 de julho de 2016

FIM DA DEMOCRACIA

Calma, ainda não estamos falando do caso brasileiro, apenas 
um caso histórico, cronologicamente muito afastado de nós. 

O historiador francês Fustel de Coulanges (1830-1889) em sua 
obra mais conhecida - "A cidade antiga" - onde discorre sobre 
as civilizações grega e romana, particularmente no período 
clássico (entre os séculos 6 e 4 A.C.) - falando sobre o término 
do regime democrático na Grécia antiga, diz: 

"Que acontecia então com a democracia? Ela não era 
precisamente responsável por esses excessos e crimes, mas 
foi a primeira a ser atingida. Não havia mais regras. 

Ora, a democracia não pode viver senão por meio de regras 
muito restritas, e melhor ainda observadas. Não se viam mais 
verdadeiros governos, mas facções no poder. O magistrado não 
exercia mais sua autoridade em proveito da paz e da lei, mas 
em proveito dos interesses e cobiças de um partido. O comando 
não tinha mais nem títulos legítimos, nem caráter sagrado; 
a obediência não tinha mais nada de voluntário; sempre 
constrangida, estava sempre à espera de uma desforra. 

A cidade não era mais que um ajuntamento de homens, dos 
quais parte era senhora, parte escrava. Dizia-se que o governo 
era aristocrático quando os ricos estavam no poder, democrático 
quando estavam os pobres. Na realidade, a verdadeira 
democracia deixara de existir. 

Do quinto até o segundo século antes de nossa era vemos que 
em todas as cidades da Grécia e da Itália, excetuando-se ainda 
Roma, as formas republicanas são postas em perigo, e que se 
tornam odiosas a um partido." 

A cidade citada nesse quarto parágrafo, significa Estado, pois 
nessa época, na Grácia e na Itália, as cidades eram soberanas,
cada uma com suas leis e com seus governantes. 

O mais preocupante é a semelhança conosco quando fala de 
magistrado. "Vade retro!". Que fique somente em semelhança  
longíqua. 

Abraço do tesco. 

4 comentários:

Anônimo disse...



OI..
Legal seu comentário.
No tempo transformou a democracia apenas no ato de votar. "votar = democracia".
Infelizmente...
hecta

ॐ Shirley ॐ disse...

Não sei se estou equivocada, mas, Platão existiu mais ou menos, na época do conteúdo desse seu texto. Pois é, a coisa vem se repetindo desde então. Gosto muito dessa frase: "Não há nada de novo abaixo do Sol. Depois de Platão, tudo é mera citação".
Ah! tesco, Platão entrou em cena por minha conta rs.
Grande abraço!!!

tesco disse...

Não, Shirley, você não está equivocada, está até
no texto integral e eu que cortei erradamente!
O quarto parágrafo diz exatamente:
"A cidade, como diz Platão, não era mais que..."
Eu que pensava que Platão não tinha assistidoa essa
derrocada da democracia, mas ele assistiu e comentou.
Mas temos leitoras atentas como Shirley!
Obrigado pela complementação.
Kisoj.

tesco disse...

Essa corrosão da democracia, Hecta, existe
em todos os tempo e em todos os lugares.
Pode-se até dizer que: "O preço da democracia,
como o da liberdade, é a eterna vigilância"!
Beijos.