TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 16 de março de 2014

TERRA ABENÇOADA

Sabe aqueles filmes que dizem "perseguidos por maldições', 
em que vários dos atores principais morrem ou têm suas 
vidas marcados por tragédias? À primeira vista a telenovela 
"O bem amado" seria uma dessas obras. 

Uma das principais atrizes da trama, Dorinha Duval, que na 
novela interpretou Dulcinea Cajazeira - que foi assassinada 
pelo marido, Dirceu Borboleta - em 1980, matou o marido, 
Paulo Sérgio Alcântara, com três tiros, sendo condenada a 
seis anos de prisão. 

Em 1983, aos 55 anos, falece Jardel Filho, que havia sido 
intérprete do médico, doutor Juarez Leão, e em 1993, 
Sandra Bréa, que na novela era Telma, filha de Odorico, 
anunciou que havia contraído o vírus HIV. O clima para 
uma série de tragédias, que poderiam ocorrer em breve, 
estava formado. 

Mas não se sucedeu, posteriormente,  nada demais. Dorinha 
cumpriu a pena e se dedica às artes plásticas; mesmo com 
boas perspectivas pela frente, morrer aos 55 anos, como foi 
o caso de Jardel, não é nenhuma tragédia; e Sandra faleceu 
em 2000, devido a um câncer de pulmão. 

Pra se ter a ideia correta das coisas, listo o ano de 
falecimento e a idade no óbito, de alguns dos atores e 
atrizes daquela novela: 

Apolo Corrêa (maestro Sabiá), 1987 aos 86; 
Angelito Mello (mestre Ambrósio), 1989 aos 70; 
Arnaldo Weiss (seu Libório da farmácia), 1989 aos 58; 
Lutero Luiz (dentista Lulu Gouveia), 1990 aos 59; 
Paulo Gracindo (Odorico Paraguaçu), 1995 aos 84; 
Carlos Eduardo Dolabella (Neco Pedreira), 2003 aos 65; 
Zilka Salaberry (Donana Medrado), 2005 aos 87; 
André Valli (primo Ernesto Cajazeira), 2008 aos 62; 
Ida Gomes (Doroteia Cajazeira), 2009 aos 85; 
Dirce Migliaccio (Judiceia Cajazeira), 2009 aos 76; 
e o espanhol da bodega, Pepito, interpretado pelo espanhol 
Juan Daniel, faleceu em 2008, mas aos 101 anos de idade. 

Como vemos, nada de tragédia e, ao lado disso, vários dos 
participantes continuam vivos a atuantes, como Lima Duarte, 
Emiliano Queiroz, Milton Gonçalves, Maria Cláudia, Ruth de 
Souza, Dilma Loes, João Carlos Barroso, Rogério Froes, 
entre outros. 

Parece que estas 'maldições' só acontecem no exterior! 
Ufa, que alívio! 
Por aqui apenas caem viadutos, marquises de edifícios, 
coberturas de estádios, as transposições não transpõem, 
operários morrem em construção de estádios, etc., somente 
bobagens! 
Ô terra abençoada! 

Abraços do tesco. 

6 comentários:

Anônimo disse...


Tesco, vc esta procurando um padrão para essas mortes?
Assim com aconteceu com os atores de supermam?
E eu n sabia da tragédia de Dorinha. Pelo que escreveu, ainda vive, não é?
hiscla

tesco disse...

Sim, hiscla, procurava um padrão,
pelo menos proximidade ao ano da produçao.
Mas nada há.
Dorinha conta, atualmente, com 85 anos.
Beijos.

ॐ Shirley ॐ disse...

Perdoe-me tesco, não posso opinar, não me lembro dessas novelas e há muito tempo não as vejo mais. Não aguento tanta maldade que elas mostram.
Mas, foi bom vir aqui...Às vezes não consigo, pois, meu blog está com problemas.
Beijos!!!

Denise disse...

Isso sem contar com outras bênçãos como os políticos que temos, a educação sendo depauperada, o gasto do dinheiro público em coisas que não dizem respeito às necessidades da população. Será tão abençoado assim nosso país? Muita paz!

Anônimo disse...

Tesco, só se que quem deveria morrer continua vivinho da silva.Outra coisa, não repara o meu silêncio de e-mails. Não tenho recebido nada. O pouco que vem eu não envio, porque ou é alguém falando mal do governo ou é petista falando bem.
Beijotescas

Anônimo disse...


Tesco, retomo seus comentários:
interessante notar que os escritores de novelas obedecem a um padrão de escrita e mudam os cenários e os personagens as a história é sempre a mesma. como é o caso da nova Helena, que de nova nada tem.
Outra coisa que vale a pena citar é apelação de todas as novelas (exceto as de época) para questões de homofobia e conflitos etnicorraciais. Isso dá a contribuição para a mudança de comportamento das novas gerações. O que pode ser bom. Porém, as questões de traições, de calotes e de falta de caráter e descompromisso, levando a maldade ao extremo é comprometedora.
Não dá mesmo pra saber se é novela que emita a vida ou a vida que emita a novela. Deve uma pista de mão dupla!
Só penso uma coisa: Estamos perdendo a capacidade de nos indignarmos com o comportamento humano? estamos perdendo a capacidade de achar absurdo como coisas como BBB? (sexo quase explicito em horário nobre.
)Até onde isso realmente afeta o comportamento das pessoas?
hiscla